Notícias

Confira as principais informações do setor

Carboidratos simples e complexo: qual a diferença?

Diferentes tipos de pães, macarrão, biscoitos, bolos e diversos outros alimentos são fonte de carboidrato. Este é um nutriente que deve fazer parte da alimentação diária pela sua eficiência em fornecer a energia necessária aos processos metabólicos, responsáveis pela manutenção da saúde. Mas você sabia que existem carboidratos simples e complexos?

De acordo com Vanderli Marchiori, consultora em nutrição da Associação Brasileira da Indústria do Trigo (ABITRIGO), a principal diferença entre esses dois grupos é o tempo metabólico gasto para transforma-los em glicose, para depois serem liberados à corrente sanguínea. Entenda:

Carboidrato simples

Facilmente absorvido pelo organismo, fornece energia quase que imediatamente após a ingestão. É indicado o consumo antes da prática de atividades físicas ou esportes radicais, mas principalmente para atletas que precisam de explosão e velocidade nas competições.

Exemplos:

Farinha de trigo refinada e seus derivados; açúcar de mesa; arroz branco; banana; bebidas açucaradas; biscoitos (secos ou recheados); bolos não integrais; cereais matinais; chocolate ao leite ou branco; doces caseiros; geleia de frutas; refrigerante; sorvete industrializado; suco de frutas em geral, entre outros.

Carboidrato complexo

Possui estrutura de amido muito mais difícil de ser metabolizada, quebrada e digerida. Por concentrar mais fibras em sua composição, este tipo de carboidrato demora de 30 a 40 minutos para aumentar os níveis de glicose no sangue.

Exemplos:

Farinhas integrais; macarrão Integral; pão Integral; abóbora; mandioca; aveia; batata doce; brócolis; couve flor; linhaça; grão de bico; soja em grãos; trigo em grãos ou partido; quinoa, entre outros.

Vanderli pontua que não existe carboidrato ruim que deve ser eliminado das refeições. De acordo com a especialista, apenas portadores de doenças específicas ou intolerâncias comprovadas a determinados ingredientes devem seguir algumas restrições. As demais devem optar por uma alimentação composta por todos os grupos alimentares (proteína, carboidrato e gordura), mas em porções adequadas às suas necessidades, ou seja, equilibrada. De todo modo, “o mais recomendado para o dia-a-dia é dar preferências para o grupo dos complexos. Devido sua absorção ser mais lenta, a sensação de saciedade é maior. Mas, tudo depende do estilo de vida de cada um”, explica.

Para mais informações sobre como compor um cardápio ideal, acesse https://goo.gl/1KBUu5. Fique atento, também, aos riscos à saúde provocados pelas “dietas da moda”. Saiba mais em https://goo.gl/XiagtI.

Assessoria de imprensa ABITRIGO:
Tree Comunicação

Mariana Ortiz
(11) 3093-3618
mariana.ortiz@tree.inf.br

Kelly Viana
(11) 3093-3614
kelly.viana@tree.inf.br

Fonte: ABITRIGO