Notícias

Confira as principais informações do setor

Trigo: Brasil deve importar seis milhões de toneladas da Argentina

Após colher a maior safra de trigo de sua história, a Argentina conseguiu escoar todo seu excedente, vendendo 5.94 milhões de toneladas entre dezembro e fevereiro. Deste montante, somente 1.27 milhão de toneladas foram destinadas para o Brasil, informa a consultoria Trigo & Farinhas.

No entanto, a T&F lembra que a consultoria Globaltecnos projeta que, até novembro, a Argentina poderá vender para o Brasil entre 5 e 6 milhões de toneladas. O Ministério de Agroindústria prevê um saldo exportável (2016/17) de 11.3 milhões de toneladas.

A Globaltecnos afirma que, se forem atingidos os objetivos de venda ao Brasil e as exportações continuarem a outros destinos, é possível que se ultrapasse este saldo exportável. Caso isso ocorra, poderá provocar os menores níveis de estoques do país, colocando em risco a disponibilidade para a moagem interna.

A Bolsa de Comércio de Rosário aponta que “esta é uma das razões mais importantes a destacar na tendência dos preços do trigo argentino daqui para frente”. Segundo a BCR, os valores poderão se mostrar cada vez mais firmes em caso de confirmação de um volume de seis milhões de toneladas para o Brasil.

Com base nestes dados, estudos da Consultoria Trigo & Farinhas apontam que os preços do trigo argentino, tanto no Rio Grande do Sul, quanto no Paraná, poderão chegar ao redor de US$ 245 nacionalizados, ou de R$ 767 a tonelada nos portos de Rio Grande ou Porto Alegre e Paranaguá (este preço será bem menor para os moinhos do Nordeste, porque costumam fazer compras diretas, sem a intermediação das Tradings dentro do Brasil).

“Este não será o preço a ser atingido pelo trigo no mercado interno brasileiro, porque o trigo argentino entrará como melhorador na composição do blend para a fabricação das farinhas, misturando qualidade e preços, e isso poderá fazer com que os moinhos cheguem à conclusão de que poderão subir levemente os preços internos”, disse o analista sênior da T&F, Luiz Carlos Pacheco.

Fonte: Sociedade Nacional de Agricultura