Notícias

Confira as principais informações do setor

Commodities Agrícolas

Avanço marginal O cenário macroeconômico instável, com o dólar em alta ante as principais divisas do mundo, refletiu-se em volatilidade nas cotações do algodão na bolsa de Nova York na última sexta-feira. Ao fim do pregão, os papéis com vencimento em maio fecharam a 74,29 centavos de dólar a libra-peso, alta de 36 pontos. Apesar da queda de 47% nas vendas externas americanas da pluma na semana encerra no último dia 29 apontada pelo Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), alguns traders afirmaram que o volume negociado nesse período, de 40 mil toneladas, ficou acima do esperado diante dos preços elevados da commodity. No mercado interno, o preço médio pago ao produtor na Bahia ficou em R$ 89,06 a arroba, segundo a associação de produtores local, a Aiba.
 
Forte queda O recuo nas vendas externas semanais de soja dos EUA, em meio às previsões de safra recorde no país, pressionou os contratos futuros da oleaginosa na bolsa de Chicago na sexta-feira. Os papéis com vencimento em março fecharam a US$ 9,9475 o bushel, queda de 17,75 centavos. De acordo com o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), os americanos fecharam contratos para venda de 87,5 mil toneladas de soja na semana móvel encerrada no último dia 29, queda de 91% em relação à semana precedente e 94% abaixo da média das quatro semanas anteriores. As expectativas do mercado eram de uma venda entre 500 mil e 1,5 milhão de toneladas. No mercado interno, o indicador Esalq/BM&FBovespa para o grão em Paranaguá ficou em R$ 74,30 a saca de 60 quilos, recuo de 0,7%.

Demanda menor A demanda mais fraca pelo milho americano pressionou as cotações do cereal na bolsa de Chicago na última sexta-feira. Os papéis com vencimento em maio fecharam a US$ 3,6475 o bushel, recuo de 2,75 centavos. De acordo com o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), os americanos fecharam contratos para venda de 429,2 mil toneladas de milho na semana móvel encerrada no último dia 29, queda de 55% em relação ao observado na semana anterior e 67% abaixo da média das quatro semanas precedentes. As expectativas dos analistas giravam em entre 550 mil e 1,05 milhão de toneladas. Na última sexta-feira, no mercado interno, o indicador Esalq/BM&FBovespa para o milho ficou em R$ 36,30 a saca de 60 quilos, com queda de 1,63%.

Consumo retraído Os contratos futuros do trigo recuaram nas bolsas americanas na última sexta-feira, refletindo a queda na demanda pelo cereal dos EUA. Em Chicago, os papéis com vencimento em maio fecharam a US$ 4,3475 o bushel, recuo de 1,75 centavo. Já em Kansas, o cereal com entrega para o mesmo mês fechou a US$ 4,45 o bushel, retração de 1 centavo. Segundo o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), os americanos acertaram a exportação de 183,7 mil toneladas de trigo até o último dia 29, queda de 68% em relação à semana anterior e 61% abaixo da média das quatro semanas precedentes. As perdas, no entanto, foram limitadas pelo clima frio e seco nas planícies do sul dos EUA. No mercado interno, o preço médio ao produtor no Paraná ficou em R$ 622,67 a tonelada, queda de 0,6%, segundo o Cepea.

Fonte: Valor Econômico