Notícias

Confira as principais informações do setor

Argentina supera Rússia e EUA com trigo mais barato do mundo

Com o grão mais barato do mundo, o país sul-americano está tirando espaço dos principais exportadores, a Rússia e os EUA, ganhando uma fatia maior do bolo no Egito e na Argélia e embarcando para lugares distantes como Bangladesh e Vietnã. As exportações estão acelerando mais cedo que o normal e provavelmente atingirão a maior alta em nove anos neste mês, segundo a consultoria Big River, de Rosário, Argentina.

A produção está aumentando depois que o presidente Mauricio Macri eliminou o imposto de 23 por cento às exportações no fim do ano passado e o clima favorável contribuiu para que a safra deste ano aumentasse 35 por cento, estimou o Ministério da Agroindústria argentino. A desvalorização cambial também está ajudando as exportações, que são precificadas em dólares americanos. O peso acumula depreciação de 18 por cento em relação ao dólar americano neste ano, pior desempenho entre as 24 moedas de mercados emergentes monitoradas pela Bloomberg.

"O trigo cultivado pela Argentina é um trigo para panificação com alto padrão de qualidade, capaz de competir em qualquer lugar", disse Ben Buckner, analista especializado em trigo da empresa de pesquisa AgResource, por telefone, de Chicago, na terça-feira. "A Argentina tem o trigo mais barato, com preço US$ 5 a US$ 10 abaixo do praticado por EUA e Rússia."

O Egito, o maior importador do mundo, adquiriu 120.000 toneladas de trigo argentino em um leilão realizado na terça-feira, segundo dois traders familiarizados com o processo, que pediram anonimato porque não têm permissão para falar com a imprensa. Uma carregamento vendido pela Glencore, a maior trading de commodities do mundo, foi o mais barato de todos os comprados. Foi a primeira vez desde fevereiro que o grão do país sul-americano foi oferecido em leilões no Egito.

Mercado da Argélia

A Argentina está ganhando participação de mercado também na Argélia, que está sendo forçada a buscar trigo em outras partes após a queda da produção na França, sua fornecedora tradicional. Pelo menos dois navios transportando 30.000 toneladas cada partiram do porto de San Lorenzo neste mês e mais um do mesmo tamanho já tem partida programada para quarta-feira, mostram dados da agência marítima Mabsa, de Buenos Aires. Os carregamentos de dezembro foram os primeiros que tiveram a Argélia como destino em três anos, disse Guillermo Rossi, analista da Big River e ex-analista da bolsa de Rosário.

O grão barato do país sul-americano roubou o mercado dos EUA, que conseguiam vender suas exportações à Argélia até recentemente, disse Buckner, da AgResource. A Argentina tem carregamentos de trigo programados também para países como Tunísia, Indonésia, Bangladesh e Vietnã, segundo a fila da Nabsa com data de 19 de dezembro.

As exportações de trigo da Argentina provavelmente chegarão a 1,2 milhão de toneladas em dezembro, maior volume desde 2007, disse Rossi. Os embarques estão aumentando juntamente com a produção, que subiu para 15,2 milhões de toneladas, 2 por cento acima da projeção anterior e superior também às 11 ,3 milhões de toneladas da safra passada, informou o Ministério da Agroindústria argentino na semana passada.
"A produção do ano que vem pode ser ainda maior", disse Rossi. "Este é o início de uma nova era para o trigo na Argentina."

Fonte: Economia Uol