Pesquisa da Abitrigo destaca produtividade dos moinhos

14/05/2019



Em 2018, ampliando a série histórica dos balanços anuais do setor, a Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo) pesquisou a taxa de extração de farinha de 160 moinhos, dos quais 145 moinhos de trigo prestaram informações. A média nacional foi de 75,9%. Este é o volume de farinha obtida do total de trigo processado. O melhor resultado verificou-se no Centro-Oeste/Minas Gerais/Rio de Janeiro/Espírito Santo (77,6%). Seguem-se, Norte/Nordeste (77%), Paraná (76,4%), São Paulo (76,3%) e Santa Catarina/Rio Grande do Sul (74,9%).

De acordo com a entidade, o bom resultado da extração é fruto, além do know how dos moageiros, à sua postura de não reduzir investimentos em tecnologia e inovação, mesmo no cenário de estagnação do consumo brasileiro de farinha de trigo (pouco mais de 44 quilos per capita/ano) e da produção. O mesmo se aplica, diz a Abitrigo, à decisão das empresas na preservação dos empregos, mantendo estáveis os seus quadros e talentos.

“Inegavelmente, profissionais capacitados e conhecedores profundos da atividade de moagem são fundamentais para a constante melhoria da produtividade, ao lado de máquinas e equipamentos de ponta. Assim, os moinhos estão prontos para atender, com alta qualidade e sem pressão sobre os preços, à demanda advinda do presumível crescimento da economia, pois sua capacidade ociosa está em torno de 25%”, ressalta a entidade em nota.

No comunicado, a Abitrigo pontua que no documento intitulado “Política Nacional do Trigo”, já entregue ao novo governo, destaca alguns itens relativos ao fomento tecnológico. Um deles refere-se à desoneração de impostos para importação de máquinas, equipamentos e material de consumo destinado ao desenvolvimento de P&D por parte da iniciativa privada e setor público.

Outra proposta é eliminar os entraves, lentidão e exigências descabidas hoje enfrentados nos processos de intercâmbio técnico-científico com entidades internacionais. Além disso, por sua importância e diversidade, a cadeia produtiva do trigo pode ser incluída como um dos setores prioritários da Finep (Financiadora de Inovação e Pesquisa) e Embrapii (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial), abrangendo diversificados projetos, incluindo a eficiência e qualidade da moagem.


Fonte: Agronovas